<$BlogRSDURL$>
Mentes Férteis
7.30.2005
 
Eu e o Mundo: Uma relação malthusiana

Enquanto meus braços crescem em progressão aritimética, minha visão cresce em progressão geométrica.
E quanto mais gente eu conheço, mais gente eu vejo que há para conhecer
E quanto mais livros eu leio, mais livroa eu quero ler
E quanto mais música eu ouço, mais música eu tenho de ouvir
E quanto mais sei, mais vejo que tenho muito a aprender (clichê, porém real)
E eu não posso agarrar tudo aquilo que vejo, tampouco carregar tudo aquilo tenho, sou obrigado a escolher e a abrir mão.
E ter sempre terá sabor de desperdício ou de perda.
 
7.23.2005
 
Breve panorama da minha mente

Reunidos em algum lugar de minha mente estão minha razão, minha emoção, minha intuição, minha criatividade, meu senso crítico e mais um monte de gente que eu nem sei quem é. Deveriam estar em congresso, decidindo o meu futuro, compartilhando opniões e idéias, mas isto está parecendo um pouco com uma suruba, não sei quem é quem, onde termina e onde começa, apesar de não haver o entrosamento de tal ato, todos estão cansados, trabalharam o dia inteiro e estão com uma enorme dificuldade de comunicação.
A sessão foi adiada (e o porta-voz não fazia a mínima idéia do que dizia á imprensa).
 
7.19.2005
 
... e eis que, num chat no msn eu não conseguia parar de escrever. Cérebro hiperativo, ou algo do gênero. Pra me acalmar um pouco, pedi um assunto pra fazer um texto. O assunto? insônia. O texto? tá aí:

Noite em claro
Olhou em volta. Não viu nada. Tudo escuro, tudo negro. Óbvio, havia apagado a luz mais de duas horas antes. Duas horas, olhos fechados, e o sono não vinha. Se perdia em pensamentos, já nem sabia mais o que pensava, e o sono não vinha. Contava carneirinhos, já nem sabia mais quantos contava, e o sono não vinha. Hora ou outra bocejava, o sono aparecia, mas mais rápido do que viera, fugia. Tentava não pensar em nada, e era gancho para mais um pensamento. Foi à cozinha, tomou um copo d'água. Copos d'água sempre ajudam a dormir, pensou. Desta vez não. Tomou mais um, mais dois, mas a água não trazia o sono. Sabia que precisava acordar cedo no outro dia, e que estaria um caco se não dormisse. Dormir, porém, já não dependia mais dele. Fez tudo que estava ao seu alcance. Acendeu a luz, começou a ler um livro. "Os sofrimentos do jovem Werther", indicação de uma amiga. Estava no começo, e progredia com dificuldade. A história parecia não evoluir. Lembrou de um filme que assistiu naquela semana, e no qual a história também não evoluía. Assim como o livro, não passou da metade. Era impaciente para tudo. Ler, assistir filmes, dormir. Era impaciente para escrever. Começara três romances diferentes, não escreveu mais de vinte páginas de nenhum. Era impaciente com a vida, queria tudo de imediato. Talvez por isso nunca teve nada. Nem sono.
 
7.17.2005
 
Hora da colheita! A merda na minha cabeça nutria idéias e as minhocas oxigenavam meu cérebro, demorou um pouco, mas agora tenho uma nova safra de pensamentos.
Fico feliz em saber que o Digão postou enquanto eu estava afastado da internet e mais feliz ainda em saber que, pela segunda vez, ele me deixou um gancho para o meu post.

S.P.F.C. (Sem Propósito Futebol Clube)

Sou são-paulino, ou melhor, me digo são-paulino, brasileiro não pode não torcer para time nenhum. Numa das noites mais glorisosas da história do meu time, aproveitei o momento para acabar com essa minha indiferença diante o futebol… e consegui, mas não foi exatamente como eu esperava.
Quinta a noite eu assisti ao jogo com certo nervosismo e tentei ficar feliz com a conquista do tri-campeonato da Copa Libertadores. A indiferença só caiu no dia seguinte, quando eu estava assistindo jornal.
Para começar, assassinaram um antes do jogo, depois assisti a cenas dignas de guerra civil na Avenida Paulista. Citando o ultimo post do Digão "Não sei por que o futebol mexe tanto com as pessoas.". Agora começo a nutrir uma pontinha de ódio ao futebol e passo a ter pensamentos parecidos com os dos líderes sindicais de mais de um século atrás.
O futebol não só faz o povo esquecer de tudo como canaliza seu potencial de mudança para atrocidades sem razão. Um desperdício! A violência é inerente ao ser humano, mas por que não usá-la em algo justifique seu uso?
 
7.14.2005
 
Hoje resolvi falar de futebol. Por quê? Bom, se você mora no Brasil, deve saber que hoje é a final da Libertadores, torneio interclubes mais importante da América. Se não mora, acaba de saber.
Muito bem, eu já defini o tema do post de hoje, mas o que vou escrever? Não sei. Não sei por que o futebol mexe tanto com as pessoas. Não sei por que milhões de torcedores se mobilizam para assistir 22 homens correndo atrás de uma bola. Não sei qual a magia desse esporte que hipnotiza as pessoas, as faz esquecer de seus problemas. Não sei como corinthianos e palmeirenses, rivais históricos e mortais, se unem para torcer contra os são-paulinos. Não sei o motivo pelo qual a derrota do time rival é mais importante que a vitória do nosso. Não sei porque brasileiros só sentem orgulho de serem brasileiros em ano de Copa do Mundo.(Pequeno parêntese: será que eleições em ano de Copa têm a ver com esquecer de tudo?). Enfim, não sei porque escrevo. Minto. Uma certa Ciclana me disse que se eu começasse a postar diariamente, ela ia comentar. E por isso estou aqui, escrevendo, sem nem saber o quê. Divago. O assunto do post é futebol, e vai continuar sendo, porque o post acabou. Até a próxima, amigos.

[Joy Division- Love will tear us apart]

PS: a quem interessar possa, sou palmeirense, e estou a torcer com todas as minhas forças pelo Atlético-PR.
 
7.13.2005
 
Eu juro que quero escrever alguma coisa aqui. O problema é que minhas sinapses não andam colaborando muito. Idéias? Quem dera tê-las, quem sabe eu conseguisse desenvolver alguma. Tanta coisa acontecendo no mundo, na vida, e eu sem conseguir escrever sobre nada. Uma das minhas brincadeiras favoritas é observar algumas ações, e imaginar como elas ficariam se fossem escritas. Bom, explicando assim fica meio complicado, um dia quem sabe eu poste o resultado de uma dessas brincadeiras aqui. Mas estou me perdendo. O que eu queria dizer é que nem essa brincadeira não ando conseguindo fazer. Parece que meu cérebro morreu e esqueceu de me levar junto. Se alguém tiver um remédio pra isso, por favor, me avise.
Bom, acho que pra quem não tinha o que dizer, eu já disse demais(sim, sou um plagiador do Harry!)
Vou ficando por aqui.
Então tá!
Tchau...
Até a próxima
O quê? Ainda aqui?
Pois é, tenho que ir.
Vejo vocês depois!

Fui...

[Ao som de Belchior- Alucinação]

PS: 1ª vez que eu coloco o que eu estava ouvindo quando escrevi o post. Gostei disso, assim todo mundo fica sabendo que meu gosto musical é meio esdrúxulo.
PS2: Chegaaaaaa!
 

MERDA SECA
Maio 2004 / Junho 2004 / Julho 2004 / Agosto 2004 / Setembro 2004 / Outubro 2004 / Novembro 2004 / Dezembro 2004 / Janeiro 2005 / Fevereiro 2005 / Março 2005 / Abril 2005 / Maio 2005 / Junho 2005 / Julho 2005 / Agosto 2005 / Setembro 2005 / Outubro 2005 / Novembro 2005 / Dezembro 2005 / Janeiro 2006 / Fevereiro 2006 / Março 2006 / Abril 2006 / Maio 2006 / Julho 2006 / Agosto 2006 / Janeiro 2007 /



Powered by Blogger
Weblog Commenting and Trackback by HaloScan.com

Letras de Música




by letras.mus.br


Cifras e Tabs




by Cifra Club